Palocci recebeu R$ 12 milhões de empresas, enquanto coordenava a campanha de Dilma em 2010
02012011-02012011AC6402Brasília (DF) – Documentos obtidos pela Revista Época revelaram que o ex-ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, recebeu R$ 12 milhões de empresas em 2010, quando coordenava a campanha da presidente Dilma Rousseff. Segundo a revista, o ex-ministro atuou como arrecadador informal da petista, ao lado do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, preso na última quarta-feira (15).
De acordo com “Época”, em 3 de dezembro, quando foi escolhido ministro-chefe da Casa Civil por Dilma, Palocci recebeu R$ 1 milhão do escritório do ex-ministro Márcio Thomaz Bastos. As informações estão presentes nos documentos da empresa do petista em poder do Ministério Público Federal (MPF).
O dinheiro teria sido repassado sem que houvesse um contrato formal, era um contrato de boca. Duas semanas depois, Palocci recebeu mais R$ 1 milhão de Thomaz Bastos. Os R$ 2 milhões somavam-se aos R$ 3,5 milhões repassados durante a campanha e a pré-campanha de Dilma. A revista afirmou que o dinheiro era pago pelo Pão de Açúcar, segundo advogados de Palocci e do escritório de Thomaz Bastos.
O objetivo do repasse era para que Palocci ajudasse na fusão entre o grupo de Abilio Diniz e as Casas Bahia. Palocci, no entanto, segundo a consultoria Estáter, contratada de forma exclusiva pelo Pão de Açúcar para tocar a fusão, informou ao MPF que não prestou qualquer serviço ao Pão de Açúcar, o que despertou suspeitas entre os investigadores.
No total, Palocci recebeu R$ 5,5 milhões em 11 parcelas, todas sem contrato. Os valores eram de R$ 500 mil, no auge das eleições, e de R$ 250 mil, antes, e sempre foram depositados, segundo o próprio Palocci, na conta da Projeto, a empresa de consultoria criada por ele após deixar o governo Lula.
Curta nosso Site do facebook
Fontes: Época / psdb

Anúncios